Proteção contra o fogo

Na conceção de um edifício devem ser tidas em consideração medidas para prevenir a propagação do fogo. Nesse sentido intervêm dois conceitos, a resistência ao fogo dos sistemas e a reação ao fogo dos materiais.

 

 

A Pladur® dispõe de sistemas de proteção passiva com elevada resistência ao fogo e máxima eficiência que evitam a propagação do fogo entre divisões de uma forma simples e segura. Os sistemas Pladur® foram ensaiados em laboratórios certificados para responder às mais altas exigências.

Quanto à reação ao fogo, as placas Pladur® são materiais incombustíveis que não contribuem para a propagação do fogo em caso de incêndio.

A segurança contra incêndios é um tema vasto e complexo. Pladur® conta com especialistas na matéria para o aconselhar nos seus projectos com informação clara e fiável.

 

Proteccón-Térmica.jpg

 

A reação ao fogo

A reação ao fogo é o comportamento de um material perante o fogo em função da sua contribuição para o desenvolvimento desse mesmo fogo.

A classificação europeia exigível - Real Decreto 312/2005, de 18 de março, retificado por RD 110/2008, de 1 de fevereiro - que aprova a classificação dos produtos e dos elementos de construção em função das suas propriedades de reacção e de resistência perante o fogo é a norma EN 13501-1. Nesta é atribuída uma classificação em função do comportamento perante o fogo dos produtos de construção e elementos para a edificação.


Fogo 1.png

Fogo 2.png

A resistência ao fogo

A resistência ao fogo de um elemento de construção define-se como a sua capacidade para manter durante um período de tempo determinado a função portante que lhe for exigível, assim como a integridade e o isolamento térmico nos termos especificados no ensaio normalizado correspondente. As diferentes caraterísticas de comportamento ao fogo citadas são:

 

R: Capacidade de suporte de cargas, é o tempo durante o qual o elemento mantém a sua resistência mecânica.

E: Estanqueidade a chamas e gases quentes, é o tempo durante o qual o elemento impede a passagem das chamas e a produção de gases quentes na face não exposta al fogo.

I: Isolamento, é o tempo durante o qual o elemento cumpre a sua função de isolante térmico para que não se produzam temperaturas excessivamente elevadas na face não exposta ao fogo.

 

Estas capacidades combinam-se em função das caraterísticas exigidas à unidade construtiva. Estas letras são acompanhadas do tempo em que se mantém essa capacidade, em função da escala de valores fornecida pela norma “EN 13501-2. Classificação em função do comportamento perante o fogo dos produtos de construção e elementos para a edificação. Parte 2: Classificação a partir de dados obtidos dos ensaios de resistência ao fogo excluindo as instalações de ventilação”.

Segundo se trate de elementos verticais, horizontais ou de proteção da estrutura, estabelece-se que a escala de tempo normalizada de acordo com a norma EN 13501-2 é 15, 30, 60, 90, 120, 180 e 240 minutos.